Paraná

Educação

Manifestantes são presos durante protesto contra terceirização de escolas no Paraná

Detenções ocorreram após tumulto na Assembleia Legislativa; militantes denunciam motivação política

Curitiba (PR) |
Manifestantes ocupam Assembleia Legislativa do Paraná e querem retirada do projeto - Fotos: Guilherme Araki

Nesta segunda-feira (3), dois manifestantes foram presos enquanto protestavam contra o projeto de terceirização das escolas estaduais do Paraná. Ronaine Hegele, professora de Cascavel, e Pedro Lanna, técnico-administrativo em educação, foram detidos durante a ocupação da Assembleia Legislativa (Alep).

Pedro Lanna, que estava ferido no momento da detenção, foi encaminhado para a Unidade de Pronto Atendimento do Pinheiro antes de ser levado, junto com a professora, para a Central de Flagrantes no bairro Portão.

Os educadores estão sendo indiciados por dois crimes e uma contravenção: dano ao patrimônio público, desacato e impedir o direito ao trabalho. "Eles são indiciados por dano ao patrimônio público na modalidade majorada, que possui uma pena maior. Se fosse dano ao patrimônio simples, sairiam hoje mesmo. Mas, com a modalidade majorada, terão que ficar detidos até a audiência de custódia," explicou Pedro Giordano, presidente do PSTU Curitiba.

Os dois servidores serão transferidos para o presídio na Cidade Industrial de Curitiba (CIC) na manhã de terça-feira (4) e aguardarão pela audiência pública marcada para a tarde do mesmo dia.

"A decisão de mantê-los sob custódia é absurda. Pedro deveria aguardar a audiência em liberdade, já que é réu primário e não há provas concretas contra ele. Isso é claramente uma motivação política," acrescentou Giordano.

Adenilson Zanini, coordenador jurídico da APP Sindicato, afirmou que a entidade está representando os dois servidores e já acionou a defensoria pública de direitos humanos e a comissão de direitos humanos da Alep para tentar reverter a decisão.

"Como eles só serão transferidos para a penitenciária amanhã de manhã, vamos tentar reverter a decisão ainda hoje na Central de Flagrantes," disse Zanini.

"Estamos atônitos com a decisão de mantê-los sob custódia. Em situações semelhantes, as pessoas foram liberadas mediante termo circunstanciado. Vamos acionar os órgãos competentes para reverter essa decisão," afirmou Zanini.

"Trata-se claramente de uma prisão política, sem elementos para mantê-los presos ou indiciá-los por esses crimes. Eles estavam exercendo seu direito de manifestação em frente à Assembleia," declarou Giordano.

"Situações como essas são recorrentes em protestos. Enquanto isso, temos um presidente da Assembleia tentando passar esse projeto, mas ele está solto e ninguém pede para ele passar a noite em um presídio," concluiu Giordano.

Edição: Pedro Carrano